O nascimento de um dos modelos mais carismáticos do mundo automóvel

O Ford Fiesta começou a suscitar a curiosidade de todos ainda nem sequer se encontrava na linha de montagem. Toda a especulação sobre o novo modelo só terminou quando Henry Ford II anunciou a verdadeira designação do modelo, numa conferência de Imprensa em Detroit, em Dezembro de 1975.

1976 - 1983

Fiesta MK1

1983 - 1989

Fiesta MK2

1989 - 1996

Fiesta MK3

1995 - 1999

Fiesta MK4

1999 - 2002

Fiesta MK5

2003 - 2008

Fiesta MK6

2009 - 2017

Fiesta MK7

2018 - XXXX

Fiesta MK8

Ford Fiesta MK1

(1976 - 1983)

Mecanicamente, o Fiesta seguia a tradição com uma caixa de quatro velocidades montada numa nova versão dos motores Kent OHV da Ford.

O modelo foi fabricado na fábrica de Valência situada em Espanha, tendo ainda algumas unidades sido fabricadas em Alemanha, na fábrica de Cologne e em Dagenham, na Inglaterra. Para reduzir custos e tempos de pesquisa do desenvolvimento do motor, muitos motores Kent modificados destinados ao Fiesta foram testados no Fiat 127.

Isto permitiu testes de estrada por toda a Europa. O carro foi um sucesso e a milionésima unidade tinha sido produzida dia 9 de Janeiro de 1979. O carro esteve disponível com um 1.0L (957cc), um 1.1 e ainda uma motorização 1.3 OHV, a gasolina. A versão mais luxuosa deste modelo era a Ghia, tradição que se manteve em diversas gamas até meados de 2016. O modelo desportivo XR2 dispunha de um motor 1.6 e visualmente para o distinguir das outras versões, dispunha de alargamentos em plástico preto nas cavas das rodas e pára-choques. Os faróis quadrados foram substituídos por faróis redondos, o que originou a que os indicadores de direcção fossem movidos para os pára-choques. O carro atingia os 100km\h em 9,3 segundos e tinha uma velocidade máxima anunciada de 169km\h. Este modelo desportivo transformou-se num carro de culto ao longo dos anos 80 e actualmente tornou-se num apetecível carro de colecção.

Ford Fiesta MK2

(1983 - 1989)

Em 1983 apareceu a segunda geração do Fiesta. A carroçaria mantinha muitos traços da primeira geração, mas dispunha uma frente mais aerodinâmica e um interior remodelado. O motor 1.3 OHV foi substituído por um CVH de capacidade semelhante, tendo este novo motor sido substituído por um 1.4 dois anos mais tarde. Os motores 1.0 e 1.1 continuaram a ser utilizados com algumas alterações, e pela primeira vez o Fiesta recebeu um motor diesel de 1.6L, sendo por sua vez, um bloco adaptado do utilizado no Escort.

O XR2 foi melhorado com um kit de carroçaria diferente e dispunha de um motor 1.6 CVH de 96cv proveniente do Escort XR3 e uma caixa de velocidades de cinco relações (também usada nos modelos com motores 1.3).

Em 1986 o motor foi revisto, tendo uma nova cabeça e novo carburador, sendo mais amigo do ambiente, mas foi reportado como menos poderoso. O Fiesta MK2 foi um sucesso de vendas, mas no final da década de 80, o modelo já se encontrava envelhecido em comparação com os rivais mais modernos Peugeot 205, Fiat Uno 205 e Citroën AX

Ford Fiesta MK3

(1989 - 1996)

A introdução do MK3 reforçou a popularidade do Fiesta, sendo bastante ajudado com a introdução de uma variante de cinco portas.

Em 1992 o RS Turbo foi suplantado pelo RS1800, sendo este novo modelo equipado com o 1.8 Zetec de injecção directa de gasolina de 130cv, permitindo uma velocidade máxima na ordem dos 200km\h.

Em 1994, a versão XR2i deixou de ser produzida, mas o seu substituto apareceu numa versão denominada SI, que contava com pára-choques mais envolventes e arredondados, mas menos desportivo, contando apenas com um motor 1.4 ou o 1.6 Zetec em alguns mercados.

A inclusão de motores de injecção directa em 1992 e alguns elementos de segurança do Mondeo em 1994 deixaram o Fiesta competitivo. Esta última alteração (formalmente conhecida como geração MK3.5) introduziu no carro novos espelhos laterais (usados também no MK4 e MK5) provenientes do Mondeo, piscas laterais ovais em vez dos quadrados, entre outras coisas, como airbag para o condutor. Embora substituído em 1995 pelo MK4, o MK3 (MK3.5) continuou a ser produzido até 1996, sob o nome de Fiesta Classic.

Os modelos com bastante saída no nosso mercado foram os 1.1, se bem que os 1.1 mais antigos a carburador, eram mais potentes que os a seguir a 1992 com injecção directa (50cv vs 55cv). Actualmente continua a ser bastante frequente ver destes carros a circular nas nossas estradas, graças à comprovada fiabilidade mecânica destes modelos.

Ford Fiesta MK4

(1995 - 1999)

O MK4 foi lançado em 1995, substituindo a anterior geração.
Todos os painéis da carroçaria foram alterados, mas mantendo traços estilísticos com o modelo anterior.  

Este novo modelo demonstrou-se mais uma vez muito popular, e apesar de ser construído com base no chassis da anterior geração MK3, o MK4 teve muitos dos seus componentes revistos, incluindo uma nova suspensão que melhorou bastante o comportamento e segurança do carro.

A maior alteração ocorreu na mecânica, recebendo novos motores Zetec a gasolina, tendo estado disponíveis no nosso mercado o bem sucedido 1.25, sempre com boas críticas por parte das revistas da especialidade e pelos próprios proprietários graças à sua elasticidade e força. 

O Fiesta MK4 contou também com o motor 1.4 de 90cv tendo este motor tido muito pouca saída no mercado português. 

O motor Diesel 1.8 foi ligeiramente verificado recebendo então a designação Endura DE, e posteriormente houve versões dotadas com turbo, equipando a bem sucedida gama de comerciais Boss Turbo e TDDi.

Estava disponível no mercado português com os equipamentos Studio, Tecno e Ghia. Nas camadas mais jovens, o Techno foi sempre o mais apetecido, estando equipado com bancos com apoio lombar melhorado, jantes de liga leve de 4 braços com pneus 185-55-14, faróis de nevoeiro, painel de instrumentos com fundo branco entre outros. O Ghia era a versão mais luxuosa, possuindo bancos em veludo, uma grelha frontal com acabamentos estilo vidro, entre outros.

Ford Fiesta MK5

(1999 - 2002)

Em 1999 o Fiesta já se sentia desactualizado, então um facelift com base na nova linguagem de design da marca, o New Edge Design. 

Esta nova mudança no design dos automóveis Ford, nos anos 2000 foi inicialmente criada por Jack Telnack e implementada pelos Designers da Ford tais como Claude Lobo e John Doughty. 

Este novo design combinou de forma distinta arcos cruzados e outros recursos, criando uma “tensão superficial” ao adicionar vincos a formas aerodinâmicas suaves dos veículos.

Mas não foi só o visual a ser alterado no novo Ford Fiesta MK5. Uma caixa mais longa, algumas restrições ambientais na mecânica e mais uma vez, melhorias nos órgãos de suspensão, fizeram parte desta actualização.

Infelizmente não disponível no nosso mercado foi o modelo desportivo Zetec, equipado com um motor 1.6 Zetec S. O Fiesta Zetec estava visualmente equipado com pára-choques desportivos e jantes de design desportivo. Os donos de MK5 portugueses, tendem a adoptar o visual do desportivo Zetec, aplicando os respectivos pára-choques e saias laterais.

Ford Fiesta MK6 & 6.5

(2003 - 2008)

Em 2002 uma nova geração foi desvendada, sem ligações genéticas ao modelo original de 1976.


Contando com carroçarias de 5 e 3 portas, em que pela primeira vez ambas as versões tinham design distinto, o 3 portas é mais parecido com um pequeno coupé, enquanto o 5 portas se apresenta mais discreto.



A maioria dos motores veio da anterior geração, com uma nova gestão electrónica e mais limitações ambientais. A caixa é ainda mais longa, e desta feita os motores são chamados de “Duratec”. Motores disponíveis no nosso mercado foram os 1.25, 1.4, 2.0 a gasolina, tal como o 1.4 TDCI Diesel, feito em parceria com o grupo francês PSA (Peugeot Citroën).

Os níveis de equipamento no nosso mercado eram o Ambiente, Trend, Ghia e ST. Em meados de 2005, o nível Trend foi substituído pelo X-Trend, que incluía a grelha cromada do Ghia, uma consola central com acabamentos cinza e piscas laterais brancos, entre outros. O MK6 distingue-se dos seus antecessores na segurança, dispondo de série de ABS, Airbags laterais para o condutor e passageiros. A célula de sobrevivência deste carro garantiu-lhe as 5 estrelas nos testes de colisão da Euro Ncap, sendo uma positiva evolução.

As capacidades dinâmicas do novo chassis deste carro, aliado a exclusivas suspensões frontais com braços em L garantem-lhe uma soberba eficácia dinâmica, tendo sido o melhor do segmento.  O Ford Fiesta ST é a versão mais desportiva desta geração, dotado com um motor sobrealimentado de 2.0L, com 150cv capaz de o levar a velocidades de 210km\h (anunciada). De visual detinha pára-choques desportivos, jantes de 17”, saias laterais, bancos desportivos com acabamentos em pele, o logótipo ST no volante e em opção faixa dupla estilo GT no exterior do carro.

Ao longo da sua produção, o interior do MK6 também sofreu algumas alterações. Os primeiros MK6 tinham um quadrante escuro, com ponteiros laranja, e indicador digital para a temperatura e gasolina. A ligeira remodelação trouxe um quadrante com aros cinza, ponteiros vermelhos e o indicador digital de gasolina e temperatura foi revisto, sendo mais preciso.

Em Novembro de 2005, foi introduzida a versão facelift do MK6, conhecida como MK6.5. O Fiesta manteve a mesma mecânica, mas a nível de visual, contou com novos pára-choques mais arredondados, faróis com desenho diferente, tal como os farolins posteriores, estes contando com duas luzes de retro-nevoeiro e duas de marcha-atrás, ao contrário da versão pré-facelift que dispunha uma de cada. O interior dispunha agora de plásticos mais macios ao toque, e o painel de instrumentos foi alterado, tendo agora indicadores de temperatura e gasolina analógicos, numa disposição semelhante à encontrada no Focus MK2.

Novos extras incluem espelhos com recolhimento eléctrico, computador de bordo, comandos de voz, Bluetooth, leitor de MP3, ESP e uma nova escolha de pinturas metalizadas.

Mais tarde, em meados de 2006, apareceu a gama “Connection”, utilizando os mesmos pára-choques do ST, que apesar de dotarem os carros com um bom visual, retirou alguma exclusividade ao design do ST.

A gama “Connection”, devido ao seu alargado sucesso, deu lugar à gama Zetec, mantendo o carro com aparência desportiva, cativando os compradores mais jovens.

Ford Fiesta MK7 & 7.5

(2009 - 2017)

O Fiesta MK7 foi apresentado na forma de concept car como Ford Verve, que foi exposto no Salão Automóvel de Frankfurt em Setembro de 2007.

A plataforma era partilhada com o novo Mazda 2, e havia rumores que também seria utilizada para um futuro Volvo de pequenas dimensões.

A versão definitiva do novo Fiesta, rompeu com as especulações de que o novo modelo do segmento B da Ford iria ter outro nome, mas a gigante da oval azul, deu a conhecer que o nome Fiesta está para ficar, e será utilizado para designar este modelo no mundo inteiro, sendo então um carro global, vendido desde a Europa à Ásia, não esquecendo os Estados Unidos, mantendo a mesma plataforma.

A produção começou na fábrica da Ford em Colônia, na Alemanha, em Agosto de 2008. Uma segunda fábrica em Valência, Espanha, começou a produzir no início de 2009. As produções na China, Tailândia e México começaram no final de 2008 a 2010. Em Portugal, o seu lançamento foi a 16 de Outubro de 2008.

Em 2013, o Ford Fiesta recebeu um facelift, designando-se assim de MK 7.5. Este remodelado modelo foi o primeiro a usar a nova grelha trapezoidal, usada agora em todos os modelos Ford. Foi também colocado na gama, os motores EcoBoost 1.0 de 100, 125 e de 140cv. que ganharam diversos prémios consecutivos, Engine of The Year.

Neste ano de 2013 foi também lançado o novo Fiesta ST com um motor EcoBoost de quatro cilindros, a debitar 182cv. Este modelo recebeu nos primeiros seis meses cerca de 10.000 encomendas, o dobro do que tinha sido projectado pela marca além de ter ganho o prémio de carro do ano da Top Gear em 2013. 

Em 2016, a Ford lançou a edição limitada do Fiesta ST200 na Europa. Do lado de fora, apresentava pintura cinza especial como a única cor disponível, e jantes de liga-leve em 17 polegadas. No interior, apresentava bancos Recaro. A sua potência e torque foram aumentados para 200cv e 290 Nm respectivamente. Graças ao aumento de potência e também a uma relação de caixa mais curta, o tempo dos 0-100km/h foi reduzido para 6,7 segundos.

Ford Fiesta MK8

(2017 - ????)

Lançado a 26 de Junho de 2017, o novo Ford Fiesta MK8 apresenta a mais sofisticada gama de tecnologias de assistência à condução e de características de conectividade entre todos os modelos utilitários de grande volume actualmente à venda na Europa.

Este é apenas um dos argumentos da mais ampla e versátil gama de sempre do Fiesta, em mais de 40 anos de história do modelo, desde o MK1 até aos dias de hoje.

Business

Titanium

ST-Line

Active & Active+

Vignale

ST

As diferentes versões do novo Fiesta disponíveis no lançamento, incluem o elegante Fiesta Titanium, o desportivo Fiesta ST-Line, com inspiração Ford Performance, o topo de gama Fiesta Vignale, o Fiesta Business (designação apenas para Portugal, sendo que nos restantes países é o Fiesta Trend), o Active e o ST de 200cv, criado pela Ford Performance.

As variantes de três e de cinco portas do Fiesta apresentam níveis superiores de qualidade e de requinte, destacando-se um novo exterior mais elegante e um design interior revolucionário, com mais opções de personalização do que nunca. A Ford reforçou também o aclamado carácter de prazer de condução tão típico do Fiesta.

O novo Fiesta conta com tecnologias de sensores capazes de detectar até uma distância de 130 metros, desde um sofisticado sistema de Detecção de Peões que, pela primeira vez, pode ajudar a evitar colisões durante a condução nocturna, bem como o primeiro sistema de Assistência Activa ao Estacionamento da Ford capaz de accionar os travões de forma a evitar embates a baixa velcidade ao estacionar em modo “mãos-livres”.

Este é o primeiro modelo da Ford a ter o sistema de som premium B&O PLAY, e a disponibilizar, pela primeira vez, um tecto de abrir panorâmico em vidro.

Na gama de propulsores com tecnologias de ponta inclui-se o multi-premiado bloco Ford EcoBoost de 1,0 litros, a gasolina, com potências até 140 CV, e um bloco de 1,5 litros TDCi diesel com 120 CV, o primeiro propulsor diesel de elevada potência do Fiesta. Uma nova transmissão de seis velocidades, com tecnologia inovadora de redução da fricção, contribui para emissões de CO2 desde 82 g/km e consumos a partir de 3,2 l/100 km.

Junte-se a nós no nosso Fórum e apresente-se ao Clube!

Registe-se e participe. a Participação no nosso clube é totalmente gratuita