Garagem do Clube

Autor Tópico: C-MAX VS Mégane Scénic  (Lida 4029 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Marco Cipriano
  • 130CV
  • *****
  • Mensagens: 2104
  • Feedback: +0/-0
C-MAX VS Mégane Scénic
« em: 07 de Janeiro, 2004, 13:37:24 »
Hoje em dia, os monovolumes já são parte integrante da paisagem automóvel em Portugal. Para os casais que viram o seu agregado familiar crescer há bem pouco tempo são, inclusive, uma alternativa mais apelativa do que uma vulgar carrinha, oferecendo mais espaço e um bom campo de visão, além de cinco verdadeiros lugares, passíveis de serem regulados ou orientados para outras configurações.



Os mais cépticos poderão dizer que a altura superior compromete o comportamento dinâmico, mas a verdade é que a evolução deste conceito permitiu ganhos consideráveis nesta matéria, o que significa que um monovolume, sobretudo deste segmento, já não é um "barco" que adorna em todas as curvas. Dois bons exemplos desta realidade são o Renault Mégane Scénic e o recém-chegado Ford Focus C-MAX, que protagonizam o face-a-face desta edição. Derivam directamente dos modelos "convencionais" que cada uma das marcas tem neste segmento, mas estão acrescidos de uma melhor (e maior) habitabilidade, juntamente com uma polivalência do interior que traz ganhos inegáveis em termos de conforto e liberdade de opções.


Estética, Construção, Segurança

A posição de condução do C-MAX é excelente e a qualidade de construção está em bom plano


Design é um parâmetro sempre subjectivo, mas que, por isso mesmo, gera as maiores divisões e discussões de opiniões. A nossa (se é que interessa a alguém…) é de que o Scénic é mais atraente. As linhas mais ousadas e a filosofia actual de design da Renault resultam muito bem neste modelo, não só pela forma da traseira, mas também pelo pára-brisas amplo, que realça o aspecto acolhedor e lhe dá ares da Espace. Já o C-MAX aposta numa estética mais conservadora, apesar de estar dentro da linha daquilo que a Ford tem lançado nos últimos tempos. A qualidade de construção está em bom plano nos dois modelos, com algumas diferenças a assinalar. No Focus, o tablier exibe melhores materiais do que no Renault, o qual apresenta um maior número de plásticos, mais económicos para o construtor, mas menos apelativos. Por outro lado, o modelo francês oferece melhores revestimentos nos painéis das portas e nos pilares.


Atrás, é mais fácil mudar para a configuração de quatro lugares do que no Scénic. O banco do meio é muito estreito


Antes de continuar a avaliação do habitáculo, importa referir o nível de equipamento de segurança comum aos dois de série, no qual é possível encontrar quatro airbags dianteiros, cortinas insufláveis, ABS com repartidor electrónico da força de travagem e um sistema que optimiza as mesmas perante uma situação de emergência, quando a palavra de ordem é parar. A tudo isto, o Renault acrescenta as fixações Isofix para as cadeiras das crianças, elemento este que é vendido como acessório no Ford.


Conforto, Habitáculo e Equipamento
De volta ao habitáculo, o Scénic é o que exibe o desenho do tablier mais interessante - o painel de instrumentos é digital e ocupa praticamente dois terços do mesmo, com o selector da caixa colocado na consola central, solução comum a ambos. O Focus recorre a uma concepção tradicional, com instrumentação analógica disposta num painel diante do condutor. A unidade ensaiada montava na consola central um sistema áudio Sony com leitor de CD e MP3, com oito altifalantes, um opcional que custa 285 euros*.



O que se nota de imediato no Scénic é a maior generosidade no que toca a espaços de arrumação, a começar pelo que divide os bancos dianteiros sob o apoio de braços, e passando pelos alçapões debaixo do chão, à frente e atrás, para não falar das gavetas à frente dos assentos dianteiros. O seu concorrente também tem alçapões no chão (só atrás) e gavetas nos bancos, mas o túnel central é ocupado por porta-copos e receptáculos pequenos. O compartimento de arrumação na zona superior do tablier é um extra do Focus em relação ao Scénic.
Espaço e funcionalidade é algo que está garantido a quem compra um destes automóveis, apesar de existirem algumas diferenças de configuração entre os dois. No Renault, os três bancos possuem regulação em comprimento, podendo ser rebatidos e removidos por completo. O central pode ser usado como mesa com as costas dobradas, mas tem de ser retirado para mudar a colocação dos outros dois (mais para dentro) quando se pretende aumentar o conforto para quatro passageiros.



Para fazer esta alteração no C-MAX basta recuar o banco central e correr os outros dois sobre calhas diagonais para dentro, uma solução mais fácil e prática de utilizar. Importa, no entanto, salientar que o banco do meio do Focus é muito mais pequeno do que o do Scénic, o que diminui o conforto para quem tem de viajar neste lugar, sobretudo se for um adulto. Em termos de habitabilidade pura, o Ford é ligeiramente maior do que o seu concorrente, em comprimento como em altura.
Carrinhos de bebé com suspensão e pneus que necessitam de ser enchidos nas bombas de gasolina são uma realidade nos dias que correm, e, por vezes, a preguiça faz com que se atire com os mesmos para a bagageira sem paciência para os dobrar. Se juntarmos a isto um par de malas, aumenta a importância de um bom espaço para bagagens. Neste aspecto, o Ford leva vantagem, graças a um volume de 550 litros, mais 120 do que o Renault oferece.

Um generoso equipamento de série é coisa que não falta a nenhum dos dois mas, mesmo assim, o Scénic consegue ser mais completo do que o seu companheiro de contenda, pois acrescenta ao que é comum a função automática de ar condicionado, vidros eléctricos atrás, lava-faróis, para além da abertura independente do óculo traseiro e dos espaços de arrumação já mencionados.


Posto de condução, Comportamento


Chega a hora de abandonar as descrições estáticas (que já devem estar a adormecer o leitor), para passar à parte dinâmica deste confronto.
Antes do arranque temos de elogiar a excelente posição de condução do C-MAX, que não só é melhor do que a do Renault, como também supera a de muitos automóveis convencionais. As pernas vão quase esticadas, o volante está disposto na vertical e ao alcance ideal das mãos, isto, claro, depois das respectivas regulações no banco e na coluna de direcção. Estes ajustes também existem no Renault, mas a postura do condutor é mais alta e o volante tem uma disposição mais inclinada.

Já na estrada, e assim que se pisa o acelerador com vigor, nota-se a maior desenvoltura do motor 1.6 TDCi de 109 cv, comparativamente ao 1.5 dCi do Renault, com uns menos expressivos 80 cv. Acresce que a caixa do Focus é muito boa, precisa e de manuseamento suave, para além de possuir um escalonamento correcto. No Scénic, a transmissão também não apresenta problemas de manuseamento, está igualmente bem escalonada, mas é mais ruidosa na engrenagem de qualquer relação.



Em auto-estrada, ambos apresentam um bom nível de conforto, mas, quando se passa para zonas urbanas de empedrado, vem ao de cima a maior firmeza da suspensão do Ford, em contraste com a do Renault, mais absorvente e capaz de filtrar melhor os incómodos do mau piso.
Apesar da vocação familiar destes veículos, não nos fizemos rogados em testar ao limite as competências de cada um numa condução mais exigente. Com uma atitude em curva muito salutar, o Scénic mantém uma aderência elevada com reacções sempre previsíveis, dando a sensação de que os 80 cv não chegam para beliscar o equilíbrio do châssis. A direcção assistida electricamente é menos comunicativa do que a do Focus (electro-hidráulica), mas transmite sem problemas as nossas ordens ao eixo dianteiro.

No C-MAX, o comportamento é, sem dúvida, o seu maior argumento, ao ponto de o condutor conseguir retirar prazer de uma condução mais empenhada. O trem dianteiro insere-se em curva com grande precisão, e o eixo traseiro limita-se a acompanhar a trajectória sem problemas, o que faz deste modelo um dos monovolumes mais eficazes que já conduzimos. Mesmo nas maiores transferências de massa (como travagens em apoio), este Focus mantém a herança do modelo base, garantindo uma boa estabilidade e uma apreciável sensação de segurança.


Performances e Consumos


Como já foi mencionado, o motor 1.6TDCi de 109 cv demarca-se claramente do Scénic em termos de performances. Com uma cilindrada e uma potência superiores, esta unidade é mais evoluída do que a mo-torização 1.5 dCi da Renault, pois já conta com dois veios de exêntricos à cabeça que comandam as 16 válvulas e turbocompressor de geometria variável. O binário de 240 Nm às 1750 rpm garante uma melhor disponibilidade em baixo regime, face aos 185 Nm do motor 1.5 de oito válvulas do Scénic.
Como se pode verificar nas nossas medições, o Focus bate o seu concorrente em todos as prestações. Na aceleração 0-100km/h a diferença é superior a quatro segundos, enquanto, nas recuperações, esta varia entre dois e quatro segundos, o que atesta a clara superioridade do Ford na disciplina das performances.



No que toca a consumos, os valores são muito equilibrados, com médias ponderadas semelhantes, que não excedem os seis litros por cada 100 km percorridos.


Conclusão
À partida, a motorização mais pujante do Focus deixava adivinhar um certo favoritismo face ao Scénic, mas este não foi o único parâmetro em que o C-MAX se destacou. Mais es-paço no habitáculo e na mala e uma posição de condução muito boa, aliada a um comportamento eficaz e equilibrado, foram os principais factores responsáveis pela vitória do Ford. O Renault é claramente penalizado no capítulo das prestações, mas mantém-se como uma das referências deste segmento, graças a um habitáculo mais apelativo, a um design atraente, a um conforto superior e a um nível de equipamento mais completo, tudo conjugado com um preço mais baixo.

Fonte: AutoMotor


Reportagem no site

Comentem ;)

pedro cunha
  • Visitante
C-MAX VS Mégane Scénic
« Responder #1 em: 08 de Janeiro, 2004, 08:55:43 »
Espectaculo!!!

Considero a C-Max a melhor no segmento!!!!  :lol:

Offline Zefiesta
  • 150CV
  • ******
  • Mensagens: 3542
  • Feedback: +7/-0
  • RED MACHINE:)
C-MAX VS Mégane Scénic
« Responder #2 em: 08 de Janeiro, 2004, 17:13:42 »
o C-MAX é + um GRANDE automóvel feito pela ford.Muito bem conseguido pelos responsaveis da ford.Eles agora podiam era aproveitar o tdci1.6 e pô-lo no fiesta :lol:

Offline NM

  • 130CV
  • *****
  • Mensagens: 2061
  • Feedback: +0/-0
C-MAX VS Mégane Scénic
« Responder #3 em: 10 de Janeiro, 2004, 03:17:18 »
vi ontem duas.. tao fixes!  :wink:

guest84
  • Visitante
C-MAX VS Mégane Scénic
« Responder #4 em: 10 de Janeiro, 2004, 03:36:07 »
C MAX rula!

ja viram os travoes do C MAX? 300mm sao do focus ST170  :o

o C MAx em design nao da hipoteses e no interior e a  mesma coisa em relaçao ao motor nao sei pq nao conduzi...